Manifesto sobre a morte da bancária Lilia Calixto, após um procedimento estético

Mais um lamentável caso de procedimentos estéticos adotados por pessoas sem qualquer especialidade médica reconhecida e sem residência médica.

Postado em: 20/07/2018
Compartilhe:

Nota de Repúdio

O estarrecimento de todos com a morte da bancária Lilia Calixto, escreve mais uma lamentável página no livro de procedimentos estéticos adotados por pessoas sem qualquer especialidade médica reconhecida e sem residência médica.  

A Associação Médica de Brasília, amparada em seu estatuto que preconiza a defesa do bom exercício da Medicina e o correto atendimento da população, não poderia deixar de se manifestar.

A paciente  submeteu-se  a um procedimento estético no Rio de Janeiro com um médico sem residência  ou especialidade médica registradas, em ambiente estranho ao universo hospitalar.  Os acontecimentos chocaram a população brasileira, além de constranger os profissionais da medicina em nossa cidade.

Não podemos mais ficar à mercê de atitudes irresponsáveis de médicos sem qualificação ou de não médicos, que se aventuram ao exercício da medicina. É passada a hora dos legisladores mudarem o jargão de que todo médico pode realizar todo ato médico. Não. Não pode. Não pode porque isto está custando vidas.

Daquele pilar estatal, ensejamos a separação do joio do trigo e a observância de critérios rígidos, sem os quais, nivela-se todos os profissionais médicos, desprezando a formação, a competência, o cuidado e o zelo, em função da exigência de resultado extremo, e sem levar em conta o consumismo, as interações fisiológicas e medicamentosas e, até mesmo, o oportunismo de alguns pacientes, de advogados e até profissionais de saúde inescrupulosos.

Um habilidoso cirurgião bem formado e de qualquer especialidade cirúrgica, pode ter uma resposta não exitosa com seu paciente. 

O que vai respalda-los, como a todos os outros médicos, é sua formação.  É a verdade de sua habilitação. É a sua especialização inconteste, legítima, soberana e reconhecida dentro do processo da formação profissional.  Se são inúmeros os fatores que intervém no sucesso de um procedimento médico, é verdadeiramente um alívio constatar que foram ali empreendidos todos os esforços legitimados pelo conhecimento, pela ciência, pela prática profissional.

No reverso da medalha da formação médica qualificada está a utilização de procedimentos sem aprovação científica colocando em risco milhares de pessoas diariamente no Brasil e no mundo.

Paralelamente a isso, urge um entendimento específico voltado para a especialidade da cirurgia plástica que, exercida de maneira séria, amparada pelo rigor da formação acadêmica, científica e profissional e sobretudo pela casuística, em nada se difere de outras práticas cirúrgicas no que se refere ao alcance de resultados.  

É nosso posicionamento.

AMBr

Diretoria

Fonte: AMBr

Cadastre seu e-mail e receba as novidades da AMBr