CFM não recomenda hidroxicloroquina, mas libera médicos a receitarem em casos específicos

O Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou o Parecer nº 04/2020 no qual estabelece critérios e condições para a prescrição de cloroquina e de hidroxicloroquina em pacientes com diagnóstico confirmado da covid19. Após analisar extensa literatura científica, a autarquia reforçou seu entendimento de que não há evidências sólidas de que essas drogas tenham efeito confirmado na prevenção e tratamento dessa doença. Porém, diante da excepcionalidade da situação e durante o período declarado da pandemia da covid19, o CFM entende ser possível a prescrição desses medicamentos em três situações específicas.

  • Paciente crítico, internado em terapia intensiva, com lesão pulmonar estabelecida. A hidroxicloroquina pode ser usada pelos “por compaixão”. Isso ocorre quando o paciente já está fora de possibilidade terapêutica e o médico, com autorização da família, utiliza a substância;
  • Paciente com sintomas que chega ao hospital. Existe um momento de replicação viral em que a droga pode ser usada pelo médico com autorização do paciente e familiares;
  • Paciente com sintomas leves, parecidos com o da gripe, e nesse caso o médico pode usar descartando a possibilidade de que tenha influenza A, B, ou dengue e H1N1, e também decisão compartilhada com o paciente

“O Conselho Federal de Medicina não recomenda o uso da hidroxicloroquina. O que estamos fazendo é dando ao médico brasileiro o direito de, junto com seu paciente, em decisão compartilhada com seu paciente, utilizar essa droga. Uma autorização. Não é recomendação”, disse o presidente do CFM, Mauro Luiz de Britto Ribeiro.

Segundo Ribeiro, não há “nenhuma evidência científica forte” sobre a eficácia do uso da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19.

“O posicionamento é que não existe nenhuma evidência científica forte que sustente o uso da hidroxicloroquina para o tratamento da covid-19. É uma droga amplamente utilizada para outras doenças, já há 70 anos, mas em relação ao tratamento da covid-19 não existe nenhum ensaio clínico, prospectivo, randomizado, feito por grupos de pesquisadores de respeito, com trabalhos publicados em revistas de ponta, que apontem qualquer tipo de benefício da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19”, afirmou.

Ribeiro explicou que existem estudos observacionais sobre o medicamento, com “pouco valor científico”, mas considerados “importantes”. Por isso, o CFM liberou o uso nos casos específicos.

CFM não libera uso preventivo

O presidente do CFM também destacou que não há “qualquer indicação” para o uso da hidroxicloroquina por pessoas como forma de se prevenir do novo coronavírus.

“Não existe qualquer indicação do uso preventivo da hidroxicloroquina em relação à Covid. Isso é consenso em qualquer literatura do mundo e essa é a postura também do Conselho Federal de Medicina. Uso preventivo, não. Aprovamos foi nas três situações: paciente com sintomas na fase inicial; paciente na segunda fase já com sintoma que procura hospital; e paciente já entubado, em ventilação, em situação crítica”.

Segundo o presidente do conselho, a autorização para o uso da substância se deu com base em estudos observacionais, que não tem valor científico, mas carregam informações importantes sobre o uso da substância para o combate da doença.

Ribeiro afirmou que o uso só foi liberado em razão da pandemia e que, em outras situações, “muito provavelmente”, a entidade não autorizaria

“Os efeitos colaterais existem, são graves, mas são raros. E existem inúmeros relatos observacionais na literatura”.

“Nós não podemos desprezar essa informação neste momento, devido ao quadro sui generis que estamos passando em razão de uma doença totalmente desconhecida. Em outras situações muito provavelmente o CFM, quase certamente o CFM, não liberaria o uso da dorga a não ser em caráter experimental. Mas diante dessa doença devastadoras, a opção foi dar um pouco mais de valor ao aspecto observacional de vários médicos, de médicos importantes, médicos sérios que tem usado essa droga”.

 

Fonte: G1 e CFM

Facebook
Twitter

Mais Noticias...


Comentários



Adicionar Comentário




© Copyright 2019. AMBr - Associação Médica de Brasilia